Governo da Bahia
iG
Notícias

Viana considera afronta criação de fundo de R$ 3,6 bilhões para eleições

"A essência da reforma política deveria ser a redução dos custos de campanha", afirma o senador

17/08/2017 - 14:21
Foto: Pedro França/Agência Senado
"Tenho receio de que uma votação mal feita dessa possa ser o estopim para o povo brasileiro", diz

Em discurso nesta quinta-feira (17), o senador Jorge Viana (PT-AP) criticou o texto da reforma política que a Câmara dos Deputados está prestes a votar e enviar para o Senado.

Na opinião de Viana, é uma afronta os deputados proporem a criação de um fundo partidário de R$ 3,6 bilhões em meio à crise que o país enfrenta.

A essência da reforma política deveria ser a redução dos custos de campanha, já que existem inúmeros mecanismos que podem torna-las mais baratas, como o trabalho pelas redes sociais, disse ainda.

 É preciso que os parlamentares tenham bom senso, que não aprovem leis ruins que ajudem a manter 'caciques' no poder. É preciso trazer de volta a boa política para a democracia brasileira.

- Tenho receio de que uma votação mal feita dessa possa ser o estopim para o povo brasileiro, que não acredita em mais nada, está decepcionado e indignado, ir para as ruas. E para onde vai essa indignação? Pode ir para coisas piores do que estamos vivendo. Está na hora de termos bom senso, não dá para fazer reforma política para piorar o que já está ruim. A reforma política precisa resgatar o respeito da sociedade com a democracia representativa, com o Congresso, o Senado, a Câmara, as assembleias legislativas, governos estaduais e com o governo federal – afirmou.

Viana também condenou a intenção do governo federal de privatizar o satélite geoestacionário, único satélite 100% brasileiro, essencial para a defesa nacional e a garantia de oferta de banda larga de qualidade, em sua opinião.

O senador sugeriu a vinda dos ministros da Ciência e Tecnologia e da Defesa e o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para prestarem esclarecimentos sobre as consequências que essa privatização traria para o cidadão brasileiro.

Últimas Notícias